19 de jul de 2012

Troféu Açorianidade



Através do Conselho Deliberativo do Núcleo de Estudos Açorianos da Universidade Federal de Santa Catarina foi instituido, em 1996, o Troféu Açorianidade com objetivo de reconhecer e valorizar o trabalho de Instituições, Pessoas e Empresas, em prol da Cultura de Base Açoriana do estado de Santa Catarina.
Com este troféu, que é entregue anualmente, o NEA tem procurado reconhecer a dedicação destas pessoas e instituições no zelo, em prol da causa da cultura açoriana.
A escolha dos profissionais, empresas e instituições que receberão os troféus são feitas pelo Conselho Deliberativo do Núcleo de Estudos Açorianos. Este Conselho é formado por 56 representantes das Prefeituras Municipais do litoral catarinense, Universidades Regionais e Fundações Culturais que atuam no litoral catarinense. Tem assento, também neste Conselho, SETUR, IPUF, SANTUR, Arquivo Público, e Consulado Honorário de Portugal. Os componentes do Conselho Deliberativo têm o direito de fazer as indicações e posteriormente participarem da eleição dos agraciados.
Altura 21 cm
A criação do protótipo do Troféu Açorianidade foi feita através de concurso público realizado em 1996, aberto a todo Estado de Santa Catarina sendo vencedor o Artista Plástico João Aurino Dias “Dão”. Nesta obra podemos ver a presença da religiosidade através da Bandeira e Pomba do Divino Espírito Santo, notamos a presença de um bote baleeiro, embarcações trazidas pelos açorianos e no verso deste troféu têm o registro de movimentos da dança folclórica açoriana.
Todos os anos são entregues 10 troféus com os seguintes nomes e quesitos:
Troféu Ilha de São Miguel – homenageia a Instituição de Ensino Superior de SC
Troféu Ilha Terceira – homenageia um Grupo Folclórico
Troféu Ilha do Faial – homenageia uma Administração Municipal
Troféu Ilha do Pico – homenageia um Veículo de Comunicação
Troféu Ilha de São Jorge – homenageia uma Personalidade
Troféu Ilha Graciosa – homenageia um Pesquisador
Troféu Ilha das Flores – homenageia um Artista Plástico
Troféu Ilha de Santa Maria – homenageia uma Empresa/Patrocínio
Troféu Ilha do Corvo – homenageia um Artesão
Troféu Ilha de Santa Catarina – homenageia uma Escola do Ensino Fundamental ou médio
Os nomes destes troféus fazem menção as nove ilhas do Arquipélago Açoriano. A Ilha de Santa Catarina empresta o nome ao décimo troféu, que acreditamos ser a décima Ilha do arquipélago Açoriano.
E, este ano na 19 " Festa Anual da Cultura Açoriana de Santa Catarina, serei agraciado com o Troféu  Açorianidade quesito Artista Plástico, em São Francisco do Sul.
Estou muito orgulhoso!!!
Meus agradecimentos A Joi Celestin, aos representantes das Prefeituras Municipais do litoral catarinense, Universidades Regionais e Fundações Culturais que atuam no litoral catarinense, SETUR, IPUF, SANTUR, Arquivo Público, e Consulado Honorário de Portugal., participantes do conselho deliberativo do  NEA/UFSC pelo premiação. 

18 de jul de 2012

Agradecimentos



Elias agradece, desde já todo apoio do padrinho CFL. Obrigado  Ricardo Saldanha, diretor Regional de SC e sua equipe Gustavo, Iracema, Rosa Helena, Barbara......










Agradecimento à Flavia Tronca, Marina (Galeria Cor) e Andréa Duck , artistas e outros que estão concretizando  o Festival Tainha na Rede.Obrigado!!

16 de jul de 2012

CINCO OLHARES – Exposição traz mosaico da cultura açoriana em Santa Catarina


Quadro Bandeira do Divino em Exposição No Núcleo de Estudos Açorianos, UFSC

A partir de 13 de julho, na UFSC, Plinio Verani, Elias Andrade, Soli, Hassis e Neri Andrade pintam a herança açoriana
Diferentes percepções sobre a herança cultural dos antepassados vindos do Arquipélago dos Açores no século XVIII se entrecruzam na exposição “Cinco Olhares sobre a Colonização Açoriana”. A mostra que abre no dia 13 de julho, no Espaço Cultural do Núcleo de Estudos Açorianos da Secretaria de Cultura da UFSC. Plinio Verani, Elias Andrade, Soli, Hassis e Neri Andrade: são cinco olhares, cada qual interpretando com seu estilo as heranças culturais no litoral catarinense.
Em cada obra, o artista mostra o seu olhar sobre a Colonização Açoriana e sua herança cultural, enfocando a chegada dos imigrantes, o artesanato, a pesca, a arquitetura e a religiosidade. Até o dia 31 de agosto, de segunda a sexta-feira, das 9 às 12 e das 14 às 17 horas, o público em geral pode ter acesso gratuito a esse mosaico plástico da arte e da história catarinense.
Com pinceladas rápidas em acrílico sobre tela, Elias Andrade mostra a pesca, as rendeiras e principalmente as festas do Divino Espírito Santo. Também trabalhando acrílico sobre tela, Soli já mostra uma visão feminina da cultura, enfocando a imagem da mulher no artesanato e no folclore. Acostumado que é a trabalhar com esculturas de grande porte e mostrar em conjunto as atividades relacionadas à herança açoriana que se passam no centro histórico de São José, Plinio Verani traz obras com telas de grandes proporções.
De Hassis a exposição exibe uma obra realizada em 1999 que representa a chegada dos açorianos em Nossa Senhora de Desterro (hoje cidade de Florianópolis). Neri Andrade, o artista naif, traz do imaginário para a pintura sua infância em Santo Antônio de Lisboa, evocada na figura dos engenhos, casarios e as festas do Espírito Santo. Informações e agendamento de visitas para escolas devem ser feitos com o coordenador do Nea, Joi Cletison, pelo telefone 48 3721.8605 ou  pelo e-mail joi@nea.ufsc.br.
Serviços:Local: Espaço Cultural do NEA / Universidade Federal de Santa Catarina
Período de visitação: 13/7 a 31/8/2012
Horário: 2ª a 6ª feira das 9h às 12h e das 14h às 17h
Informações e agendamento para escolas: (48) 3721-8605 ou joi@nea.ufsc.br
Fotografias para divulgação:
Telefones dos Artistas: Plinio (48)9622-2866, Soli (48) 9971-5416 , Elias (48)3335-0035, Neri (48)3235-1990.
Assessoria de comunicação:
Raquel Wandelli
Jornalista da UFSC na SeCult
3721-9459 e 9911-0524
raquelwandelli@yahoo.com.br

GALLERY NIGHT

 
                                                             Preparação da Exposição
A Gallery Night , ocorreu no Jurerê Internacional. Evento de muito bem gosto,  sob o comando de Flávia Tronca e apoio da Habitasul.
Contou com obras de Valdir Agostinho, Vinicius Basso, Tereza Martorano, Flávia Tronca, entre outros.

 
                                                              Ilha do Ratones
                                                       


                                                                   Os Ciclistas



                                                                  Arte de Marinela Goulart



                                    
                                                      Quadro de Flávia Tronca